• 193 
  •  
  •  
  •  
  •  

Bombeiros do Rio se especializam em salvamento em altura

Curso do Grupamento de Busca e Salvamento já capacitou mais de 300 militares

 

Agilidade, perfeição e segurança. Essa é a meta do Curso de Salvamento em Altura (CSAlt) ministrado, desde 1986, pelo Grupamento de Busca e Salvamento do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio (CBMERJ). Todos os anos, a corporação treina uma nova turma de bombeiros, com o objetivo formar especialistas em resgates de alto risco em estruturas elevadas. As aulas teóricas e práticas do programa duram cerca de 21 semanas, num total de 837 horas/aula. Os militares se dividem entre a sede do GBS, o Quartel Central, a Academia de Bombeiro Militar Dom Pedro II e prédios públicos.

 

- A corporação investe na capacitação da sua tropa. O curso está em sua 27ª edição. E este ano aceitamos 15 voluntários. Ao todo, já formamos mais de 300 militares com habilidades específicas para resgates em edificações verticais, poços, vão de elevador, andaimes, torres de transmissão, teleféricos, bondinhos, entre outras estruturas. Os bombeiros também recebem instruções para abordagem de suicidas por meio de rapel e retirada de vítimas de locais elevados através de planos inclinados e tirolesas - explicou o coronel Sarmento, comandante do GBS e diretor do curso. 

 

O programa é dividido em três módulos: básico, intermediário e avançado. As atividades são progressivas no que diz respeito à complexidade técnico-profissional, à gradação do alcance vertical e ao preparo físico e emocional dos alunos. 

 

- O curso exige dos profissionais técnica, preparo físico e psicológico, raciocínio rápido, criatividade, precisão e poder de adaptação a condições e cenários adversos. O bombeiro é colocado à prova - afirmou o oficial.

 

Atualmente, 149 militares com essa formação especializada estão ativos na corporação, distribuídos por diversas unidades operacionais. A aula inaugural da turma 2017 foi presidida pelo coronel William Vieira, subchefe operacional do Estado Maior Geral. Contou com as presenças dos coronéis reformados Edson Tavares da Silva e Marcus Vinícius da Luz Mynssen, ambos ex-comandantes do GBS.